Objeto Gráfico Não identidificado / IEA, 2015 +info

/Posted by: vitorcesar

Material impresso

 

Projeto de Objeto Gráfico Não Identificado, realizado para o Instituto de Estudos Avançados da USP. Realizado com a colaboração de Fred Floeter.

Campos de preposições Sesc Ipiranga, 2016 +info

/Posted by: vitorcesar

Linguagem Visual, material impresso, sinalização.

 

Campos de Preposições – Sesc Ipiranga, idealizado POR O grupo inteiro consiste na reflexão SOBRE modos de convivência – como encontro e disputa – a partir DAS áreas de convivência do Sesc Ipiranga. O projeto multiplica diferentes campos DE relações ENTRE as coisas, as pessoas, os lugares e as narrativas. Articula acontecimentos ENTRE dimensões locais atuais do bairro do Ipiranga, do monumento sítio da proclamação da Independência do Brasil em 1822, e políticas que atravessam o país nos últimos anos. Campos de Preposições se dispõe no espaço e no tempo por meio de instalações, performances, encontros, diagramas, publicações e uma plataforma online. O projeto conta COM a participação de artistas-acadêmicos da Central Saint Martins – University of the Arts London e outros artistas convidados, alinhados ao modus operandi que o Sesc São Paulo desenvolve há mais de 30 anos: suas histórias, seu olhar para o plural, sua capacidade de se reinventar e de se inserir de modo integrado e, simultaneamente, tão diferenciado na cidade.

Nucléo de Educação e Cultura Instituto Tomie Ohtake, 2016 +info

/Posted by: vitorcesar

Publicação

 

Livro que documenta um seminário do Instituto Tomie Ohtake, com curadoria de Galciani Neves; Material educativo da exposição de Frida Kahlo.

 

Mano fato mano, 2015 +info

/Posted by: vitorcesar

MANO FATO MANO instaura um espaço de reflexo e reflexão, permitido e ativado por desenhos e ações que informam o cotidiano nas cidades e, particularmente, em São Paulo. São desenhos que ativam e registram ações potentes. Desenhos que revelam, criam deslocamentos, e trazem para o universo gráfico a potência da ação de realizar coisas. Operam como ferramentas de manipulação, acessibilidade, conflito, manifestação, expressão, comunicação.

Assim como no brinquedo gira-gira — cuja força motora é gerada individual e coletivamente —, o girar permite um caleidoscópio de múltiplas perspectivas e usos. A exposição articula (séries de) trabalhos da Coleção de Arte da Cidade — de Antônio Lizárraga, Gladys Maldaun, Guto Lacaz, Leon Ferrari e Marcos Troncoso —; contrapostos a trabalhos convidados — de Ciro Ghellere, Claudio Bueno e Cristiano Rosa, Diogo de Moraes, Raphael Escobar e Vitor Cesar.

curadoras / curators: Carol Tonetti e Ligia Nobre
grupo do projeto / project group mano fato mano: Carol Tonetti, Claudio Bueno, Ciro Ghellere, Ligia Nobre, Luis Felipe Abbud e Vitor Cesar. Assistência e ilustrações / assistance and illustrations: Deborah Salles

LOADING